Junta de Ação Social da CBSM realiza seminário em Campo Grande

por dez 26, 2012Notícias0 Comentários

O II Seminário em Ação Social debateu o tema “Missão Integral: a responsabilidade social da igreja”.

O evento foi realizado no templo da Igreja Batista Coronel Antonino, de 29 de novembro a 2 de dezembro e teve como orador oficial o pastor Fabrício Cunha, da Comunidade Batista Vida Nova em São José dos Campos – SP que, em suas mensagens, discorreu sobre o tema com base nos textos bíblicos citados.

Em Mateus 28: 18 a 20, levou os presentes a refletir sobre perguntas como: Por que eu existo?  Qual a minha razão de ser? Qual a razão da esperança que há em nós? Destacou, ainda, que a santidade tem muito mais a ver com as coisas que eu faço do que com as coisas que não faço. Prosseguiu a reflexão focando na indagação Qual é a missão da Igreja? Fez a afirmação “Quem não sabe o porquê faz, não sabe o que faz”. Salientou que não devemos viver em função do projeto e sim em função da missão. A partir daí, destacou os caminhos para a compreensão da nossa missão através de três aspectos: (1) Criação – quando Deus fez tudo perfeito e colocou à disposição do homem. (2) Queda – momento que afetou o nosso relacionamento em quatro áreas: com Deus; com nós mesmos, com as pessoas e com a natureza. A ruptura com o Criador trouxe, segundo o orador, ruptura com nós mesmos, demonstrada através da doença do século, a depressão; ruptura com as pessoas, visível nesse momento através das mortes por motivos banais, conflitos nos lares, etc.; o rompimento com a natureza e seus espaços: danos causados pelo homem à natureza levaram ao seu desequilíbrio. (3) A redenção da História: destacou que o pecado não tem a última palavra (Gên. 3:5). A importância de Israel em expressar a Identidade de Deus e trazer para a história o Messias e seu ministério na terra. (4) Redenção Plena – Escatológica: A Igreja é o corpo de Cristo e o corpo é quem executa as ordens do cabeça/cérebro, que é Jesus.

Conforme o preletor, nossa missão é “expressar com a máxima densidade possível, aqui e agora, uma realidade que se consumirá de forma plena e perfeita ali e além” valendo-se do pensamento de Robson Cavalcanti. Reafirma ser a nossa missão fazer com que a autoridade de Cristo de direito se torne de fato nessa terra.  Finalizou destacando que a Igreja não deve fazer boa ação e sim fazer missão.

AOS PAIS

Pastor Joide Miranda, do Ministério do Evangelho Integral em Cuiabá – MT, ex-travesti, em duas participações, além de ministrar seu testemunho pessoal, destacando sua vida como travesti em vários países do mundo e como Deus o libertou, trouxe uma palavra especialmente aos pais: não ser pai assistencialista, mas sim presente na vida dos filhos. Enfatizou ainda sobre o perigo que o movimento gueizista tem trazido à família, igreja e sociedade com o lema de sodomia de filhos e netos.

Foram realizadas também duas mesas redondas:

(1) Exploração e abuso sexual, com a participação do Pastor Joide Miranda e a mediação de Fábio Brandão Coelho;
(2) Rede de Proteção Social no Mato Grosso do Sul: como a igreja pode contribuir?  Com a participação de Maria Aparecida Melo – Superintendente de Políticas Públicas da Secretaria de Trabalho e Assistência Social de MS, oportunidade em que apresentou a base legal da Política Pública de Assistência Social e da Lei Orgânica de Assistência Social – LOAS, destacando     que a Igreja pode contribuir com o poder público, desde que se credencie junto aos órgãos competentes e atenda as exigências legais. Já a Pastora Joelma Lúcia Damasceno Fachini – Presidente da Casa da Criança Peniel, destacou sua atuação na área, enfocando o trabalho com as casas de acolhimento, onde a Igreja pode ajudar participando do Projeto Padrinho, Família Acolhedora e do Programa de Adoção. Afirmou por fim, que a Igreja tem muito a oferecer, porém está muito recolhida em seu mundo. Já o Dr. Sérgio Harfouche – Promotor de Justiça da 27ª Promotoria de Justiça da Infância e Juventude, apresentou seu trabalho desenvolvido junto às escolas no combate à violência, bem como sobre os equívocos na interpretação da legislação. Não somente podemos como devemos cobrar os deveres das crianças e assim gerarmos cidadãos dignos e partícipes da sociedade. Ao final, houve também uma participação bastante ativa dos presentes, com perguntas aos componentes da Mesa.


Cinco oficinas completaram o programa:

(1) O papel da igreja frente à pessoa com deficiência, teve como ministrante o Pastor Josimar F. de Araújo, membro da Igreja Batista do Bairro Universitário, especialista em Neuropsico-pedagogia e Coordenador do Projeto Arte e Vida, desenvolvido com portadores de Dowm, em que se busca a integração através da capoeira;
(2) Dependentes Químicos, ministrada pela Pastora Wainer Carvalho Moura, presidente e fundadora da Comunidade Terapêutica Casa do Renovo, destacando os desafios enfrentados na recuperação de dependentes químicos através de experiências espirituais e estudo da palavra de Deus;
(3) Indígenas, ministrada pelo Pastor Ricardo Torres Poquiviqui, missionário na tribo Ofaié, apoiador do trabalho entre os indígenas Guarani Nhandeva, em Paranhos – MS e aldeia do Paraguai. Membro do CONPLEI – Conselho de Pastores e Lideres Evangélicos Indígenas e Presidente da Igreja Uniedas de Campo Grande, abordou as oportunidades e os desafios na atuação junto aos indígenas;
(4) Crianças e adolescentes assistidos socialmente, ministrada pela pastora Joelma Lúcia Damasceno Fachini, a qual discorreu sobre sua experiência na área sendo hoje, sem dúvida, uma autoridade no assunto que muito contribuiu para o sucesso do seminário;
(5) Famílias envolvidas no comércio e exploração sexual, ministrada por Viviane Machado de Melo Vazes, obreira da PIBCG e coordenadora do Projeto Nova, desenvolvido junto as profissionais do sexo, que apresentou os desafios e os resultados obtidos através do projeto, inclusive com a participação de algumas pessoas egressas do programa e já convertidas a Jesus;
(6) Como elaborar um projeto social, ministrado por Moisés Granzoti, médico veterinário, professor aposentado da UFMS, membro da SIB Campo Grande e da JUNASEMS, que abordou a parte prática de como e o que fazer.
O congresso contou com cerca de 60 inscritos, representando igrejas de Campo Grande, Bataiporã, Bandeirantes e Chapadão do Sul.
Agradecimentos à Igreja Batista Coronel Antonino, que recebeu os congressistas de forma maravilhosa, aos palestrantes, aos membros da JUNASEMS, aos voluntários, à CBSM, aos que contribuíram financeiramente e, sobretudo, a Deus que nos abençoou e permitiu que tudo ocorresse acima do planejado.  A Ele a honra, a glória e o louvor.

Joelson Chaves de Brito
Presidente da Junasems

Anderson Solano

Anderson Solano

Publicitário, chefe do departamento de comunicação social e gestor de TI.

0 comentários

Enviar um comentário

Posts Recentes